Mercado imobiliário esquenta

  • Por Secovi Rio -


Depois de um ano com poucas novidades em Niterói, 2019 tem início com pelo menos quatro lançamentos.

Praticamente sem lançar novos empreendimentos em 2018, o mercado imobiliário em Niterói e região fechou o ano passado sem alcançar as metas que desejava, principalmente por causa da instabilidade econômica e política do país. No entanto, para este ano, as perspectivas parecem ser bem mais otimistas. Segundo especialistas, impulsionadas principalmente por incentivos políticos e econômicos favoráveis ao setor, 2019 inicia com pelo menos quatro novos lançamentos previstos. Ótimas oportunidades para quem procura imóvel para morar e também para os investidores.

Vitor Hugo Amaral, sócio-diretor da Construtora Joama, explica que o ano de 2018 foi de certa forma um período estagnado para o mercado imobiliário, com poucos lançamentos por parte das construtoras, principalmente por causa da expectativa do mercado em relação às eleições de outubro.

“O maior desafio foi sobreviver com as contas em dia e sem endividar a empresa. Esperamos que 2019 possamos ter uma retomada, reencontrar os clientes e começar a vender novamente, e, principalmente, oferecer novos lançamentos”, ressalta.

Leonardo Schneider, vice-presidente do Secovi Rio, diz que o mercado imobiliário neste ano vive grande expectativa com a retomada das obras do Comperj, que aumenta o número de empregos diretos e indiretos e, consequentemente, a capacidade de compra, gerando mais negócios no mercado imobiliário.

“Inclusive algumas construtoras já sinalizam um trabalho nesse sentido com alguns lançamentos. O ano de 2018 foi difícil para o mercado imobiliário. Em Niterói não foi diferente”, avalia. “A gente pode dizer que teve uma leve recuperação no terço final do ano, mas ainda muito embrionária. Foram vendas de unidades com valor menor, que giram em torno de R$ 200 mil, tanto em Niterói quanto em São Gonçalo, que durante o ano tiveram uma saída um pouco melhor. Mas a região Oceânica e Pendotiba ainda são sinônimos de boas oportunidades de investimento, onde existem oportunidades de encontrar algo bom com um valor justo”, completa.

Mas se em 2018 faltaram lançamentos, 2019 já começa com novidades em algumas regiões da cidade, adianta o presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi) de Niterói, Bruno Serpa Pinto.

“A gente já tem uma perspectiva de lançamentos para 2019. Um deles é na zona sul da cidade, em Icaraí. Um outro no Centro, que passamos a denominar como Polo Universitário, em frente à Concha Acústica, voltado para o investidor e para uma moradia com praticidade. Também há um lançamento de frente para o mar em Charitas e um na praia de Piratininga, que por sinal já é sucesso de venda. E ainda tem um lançamento de lotes, que há muito tempo não acontece na cidade, de altíssimo padrão, em Pendotiba, no caminho em direção à Região Oceânica, voltado para os que sonham em construir e morar em uma casa dos sonhos”, destaca.

O setor também está animado para o ano de 2019 com um novo cenário político, afirma o presidente da Ademi Niterói. Segundo ele, o fato da cidade ter um novo plano diretor aprovado, também garante regras claras e estabilidade jurídica para construtoras.

“E também já temos a nova lei do distrato, que favorece o bom pagador e faz com que haja estabilidade para novos empreendimentos. Quanto a oferta de dinheiro para aquisição de imóveis, a expectativa também é otimista. Isso porque, como as empresas pararam de produzir, os bancos também sofreram com isso. Já nos reunimos com Caixa Econômica Federal, Itaú e Bradesco, mostramos os lançamentos e nossa pesquisa de mercado, e eles se mostraram muito animados com a cidade e também muito flexíveis, querendo emprestar. Por isso, acho que vamos ter dinheiro mais barato e crédito facilitado”, prevê Serpa Pinto.

Uma mudança no perfil dos empreendimentos é uma realidade que também começa a se impor. Segundo Serpa Pinto, de 2007 a 2014 vivemos um período de obras faraônicas, com unidades com grandes espaços, mas para os próximos anos, ele acredita em uma tendência cada vez maior por empreendimentos, menores, bem localizados, com condomínios mais baixos e áreas de lazer funcionais.

“São imóveis mais adequados à realidade atual do brasileiro. Nesse sentido, já temos um lançamento em Itacoatiara voltado para sustentabilidade. As empresas estão com trabalhos muito voltados para esse tipo de valor, reúso de água, compartilhamento, sustentabilidade, enfim é um outra realidade na qual as empresas vão ter que se reinventar”, conclui.

FONTE: O  Fluminense