Congresso na Bahia debate os rumos do setor de administração imobiliária no Brasil

  • Por Secovi Rio -


Em busca de soluções para o setor habitacional no Brasil. Foi com esse tema que se deu a abertura do 19º Conami – Congresso Nacional do Mercado Imobiliário, realizado de 1º a 3 de novembro, em Salvador, Bahia, reunindo cerca de 300 participantes. O coordenador da Câmara Brasileira de Comércio e Serviços Imobiliários (CBCSI) e presidente do Secovi Rio, Pedro Wähmann, apresentou, junto com outros membros do órgão, um panorama dos principais temas que afetam o setor habitacional no Brasil e estão sendo debatidos e acompanhados junto ao Poder Legislativo.

“É fundamental o acompanhamento dos projetos de leis federais que possam afetar negativamente o segmento imobiliário, e nós, dos Secovis de todo o País, temos nos dedicado muito a isso. Atualmente, existem mais de 290 projetos de leis no Congresso Nacional que podem impactar nossa atividade”, ratificou Wähmann.

A mesa foi composta por Leandro Ibagy, coordenador de locação da CBCSI; Marcos Augusto Netto, coordenador de Incorporação e presidente do Secovi-MS; Ovídio Maia, coordenador de comercialização da CBCSI e vice-presidente do Secovi-DF; Elísio Cruz, coordenador de Terrenos de Marinha e presidente do Secovi-PE; Ioav Blanche, coordenaor de Desenvolvimento Urbano e presidente do Secovi-Goiás e Helzio Mascarenhas, representante do Secovi Rio na Câmara dos Deputados.

Marcos Augusto Netto falou sobre os distratos nas negociações de compra e venda de imóveis. “É uma decisão unilateral. Desde a criação do Código de Defesa do Consumidor, este item tem trazido consequências sérias para as empresa. Em 2016, de cada 100 contratos, 44 foram desfeitos”.

Desafios para o segmento

Na abertura do Congresso, o presidente do Secovi-BA, Kelsor Fernandes, destacou que o momento é de retomada do crescimento do mercado imobiliário. “No CONAMI de 2015, lá em Florianópolis, a crise econômica do Brasil permeou a maioria das apresentações e conversas durante o evento. Precisávamos e continuamos precisando, ter as ferramentas certas para encarar as dificuldades da economia. Aquele foi um momento de muita força de trabalho, otimismo e união”, afirmou. “A palavra da vez não é mais crise, mas retomada. Aos poucos o mercado começa a ficar oxigenado. Já vimos a inversão da curva, a confiança das famílias e empresas volta a aumentar”, previu.

Os desafios da administração condominial também foram tema do primeiro dia de debates no 19º Conami. A mediadora Marcela Argolo de Queiroz, advogada especialista em Direito Tributário, conduziu o painel que teve como debatedores Debora Mendonça, presidente da Associação Brasileira das Administradoras de Imóveis (Abadi); Omar Anaute, diretor de condomínio da AABIC, e Alexandre Manzali, arquiteto e urbanista, sócio diretor da Enashopp.

Encerrando o primeiro dia, duas palestras com participações de peso: “Novo Código do Processo Civil e a Segurança Jurídica no Direito Imobiliário”, com  o advogado e desembargador aposentado do TJ-RJ, Sylvio Capanema, e “O Cenário Econômico e o Mercado Imobiliário”, do economista e apresentador do GNT  Ricardo Amorim.

“Os últimos anos da economia e do mercado imobiliários brasileiros foram muito ruins. Foi a pior crise econômica, política e moral que enfrentamos. A crise política ainda não foi resolvida, já a econômica, ficou pra trás”, disse o economista, completando: “Estamos no ponto de inflexão. A economia vai voltar a crescer. Nos últimos três meses foram criados 1,1 milhão de empregos. O comércio espera o melhor Natal dos últimos quatro anos. A inflação despencou e caiu também a taxa de juros. O crédito vai voltar com tudo”.

Guilherme Zanotto e Gustavo Carnicelli, ambos do Café Imobiliário, abriram o segundo dia do 19º Conami.  A dupla conduziu a mesa “O Consumidor na Era Digital, quem está do outro lado da venda”, desafiando os participantes com a seguinte frase: “o mercado imobiliário ainda não entendeu a mudança”. Para explicar o desafio, Gustavo citou como exemplo o WhatsApp: “O novo já é velho. Em 2009, após o lançamento do aplicativo, já fizemos a primeira venda de imóvel. E hoje os empresários ainda não sabem como incorporar a ferramenta em seus negócios”.

Indicadores e intercâmbio internacional

De que maneira as empresas do setor podem lançar mão de pesquisas e indicadores imobiliários como um diferencial competitivo. Sobre isso falou o coordenador estatístico do Secovi Rio, Maurício Eiras, no segundo dia do evento. Ele explicou como surgiu o Indicador Nacional, pesquisa com informações sobre a variação no preço do metro quadrado de imóveis residenciais e comerciais, para venda e locação, quantidade de unidades ofertadas e rentabilidade em cidades de todas as regiões do País.

Ainda no segundo dia, um panorama internacional do setor. Participando da mesa “Intercâmbio internacional do mercado imobiliário: diferentes olhares sobre o mesmo tema”, convidados da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Guatemala, México, Paraguai e Peru falaram sobre diferenças e semelhanças na maneira de administrar imóveis, propondo soluções para gargalos que afetam todos os países.

O último dia do 19º Conami se encerrou com a presença do fundador e diretor da Mesa de Debates de Direito Imobiliário, e também diretor de Legislação do Inquilinato do Secovi-SP, Jaques Bushatsky, e da coordenadora adjunta do Secovi-SP e diretora de locação da AABIC, Moira Regina de Toledo, que falaram sobre “Locação Virtual de Imóveis: riscos e oportunidades” um visão jurídica e esclarecedora.

Ambos explicaram que a leis brasileiras permitem que os contratos de locação imobiliária sejam feitos cem por cento de forma eletrônica, e ressaltaram os critérios de garantia de segurança nas negociações. “A locação digital quer diminuir a burocracia e acelerar processos que hoje chegam a até 15 dias para a provação de cadastro”, afirmou Moira Regina.